Buscar

Tempestade

Tinha uma época que eu não gostava de chuva. Sempre escutei os mais velhos falarem "tempo bonito" quando dava Sol e tempo "feio" quando chovia, e me acostumei.


Até que um dia, quando já tinha uns 22 anos e morava com meu amigo Martin, lá na Independência, em Porto Alegre, começou uma tempestade daquelas fortes, anunciada por vendaval, raio e trovão.


Eu corri pra fechar as janelas, mas quando vi tava o Martin encostado numa janela aberta olhando a vista, com um sorrisão e os olhos brilhando. Me falou que sempre curtiu muito tempestade, que era muito massa de ver ela passar.


Me encostei do lado dele, e nesse dia reaprendi a apreciar uma boa tormenta. Me lembrei de quando era criança e tomava banho de chuva rolando na grama na casa dos meus avós em Atlântida, de como era bom sentir a água caindo do céu direto no meu corpo.


Me lembro disso agora, aqui deitado na rede, olhando pro quintal e vendo a tempestade chegar. Os raios e trovões anunciam o espetáculo, e o vento começa devagarinho a soprar as folhas do pingo de ouro. Os passarinhos se recolhem pros seus ninhos, e eu me preparo pra tomar um banho de chuva.

45 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

COMPRAR

SOBRE JULIANO POETA

FOLLOW ME

  • Instagram
  • YouTube
Medium-logo.png

INSCREVA-SE

Nome da empresa: JULIANO POETA, CPF 027.735.350-57 - Endereço Comercial Servidão Pedro Edmundo Bittencourt, 488, Florianópolis - SC.

Telefone para contato: 48 99110-1212. E-mail: oipoetajuliano@gmail.com 

Data estimada da entrega dos produtos: em até 15 dias úteis após a compra.